Administradores, no Rio de Janeiro, tem salário mínimo profissional.

2

A discussão sobre um salário mínimo para os Administradores é uma das questões que interessam, diretamente, a todos os colegas. Infelizmente apenas os Engenheiros tem um salário mínimo profissional a nível federal no Brasil. Depois da aprovação deste salário mínimo, nenhuma outra categoria logrou exito em conseguir uma medida igual. A câmara dos deputados já analisou, e rejeitou, vários projetos semelhantes, inclusive para os administradores.

A única ação próxima com sucesso foi a conseguida pelo Sindicato dos Administradores no Estado do Rio de Janeiro que conseguiu incluir na lei do salário mínimo no ERJ – Lei Nº 8315 DE 19/03/2019, a categoria dos Administradores (CBO 2521-05) . Por esta lei, os Administradores do ERJ devem ganhar, como salário mínimo, o valor de R$ 3.158,96 (três mil cento e cinquenta e oito reais e noventa e seis centavos).

Segundo o vice presidente do SINAERJ, Adm Julio Reis, “vendo de maneira isolada o valor até poderia ser maior, mas considerando que é o salário mínimo, e que muitas pequenas empresas chegam pagar até menos que R$2.000,00, ter uma lei estadual garantindo este direito, já é um grande avanço”.

2521 :: Administradores

Títulos
2521-05 – Administrador, Administrador de empresas, Administrador de marketing, Administrador de orçamento, Administrador de patrimônio, Administrador de pequena e média empresa, Administrador de recursos humanos, Administrador de recursos tecnológicos, Administrador financeiro, Administrador hospitalar, Administrador público, Analista administrativo, Consultor administrativo, Consultor de organização, Gestor público (administrador) 

Descrição Sumária
Planejam, organizam, controlam e assessoram as organizações nas áreas de recursos humanos, patrimônio, materiais, informações, financeira, tecnológica, entre outras; implementam programas e projetos; elaboram planejamento organizacional; promovem estudos de racionalização e controlam o desempenho organizacional. Prestam consultoria administrativa a organizações e pessoas.

Fonte: mtecbo.gov.br

Projeto Mapa Brasil Afrotech

Quando falamos de Administração, alguns temas continuam sendo um pouco que tabus. A discriminação racial é um deles. No discurso de muitas empresas, vivemos a máxima da igualdade racial plena, do Brasil sem discriminação ou do “as empresas tem o direito de escolher quem serão seus empregados”. Na dura realidade a discriminação é velada, muitas empresas abrem mão da possibilidade de ter profissionais com grande potencial de trabalho por conta da condição racial. majoritariamente a discriminação é com os negros, mas também acontece com indígenas e outras raças.

Dentro deste quadro, vale a pena destacar algumas iniciativas que visam mostrar que o potencial de trabalho independente da questão racial. Um projeto em especial chama a atenção, trata-se de iniciativa da UNICAMP, que visa: ” disponibilizar aos pesquisadores e à comunidade um banco de dados, a conter informações qualificadas sobre desenvolvedores e participantes afro-brasileiros inclusos em projetos com características de inovação tecnológica e, em destaque, em componentes correlatos ao ambiente das novas tecnologias e mídias digitais”.

O Projeto Mapa Brasil Afrotech disponibiliza informações sobre profissionais e instituições que mostram o potencial e a capacidade de profissionais negros em todos o país. vale a pena conhecer cases como:

Nadia Ayad:
vencedora do concurso Global Graphene Challenge onde apresentou “apresentou a idéia de usar grafeno para um dispositivo de filtragem e um sistema de dessalinização que forneceria água potável para as famílias. Sua idéia reduziria significativamente os custos de energia e sobrecarregaria os suprimentos de água atuais, reciclando a água”.
veja em: https://www.sandvik.coromant.com/en-us/aboutus/lookingahead/pages/the-graphene-challenge.aspx

Ale Santos:
“Escritor de Ficção e Fantasia Afro-americana, que representou o Brasil em uma Antologia Mundial de Scifi (2013). Pesquisador de narrativas africanas, citado pela revista Piauí como o Cronista dos Negros no Twitter, é colunista da Vice Brasil, já colaborou com The Intercept Brasil e a Revista Superinteressante . Reconhecido pelas thread com narrativas afrocentradas que já alcançaram milhões de visualizações no twitter. Dá aulas de Gamificação na pós da ESPM e como consultor, além de desenvolver projetos para startups, foi um dos responsáveis por 5 edições da gamificação do maior evento de TI da América Latina, o IT Forum”.

Veja em: https://alesantos.me/

Vale do Dendê
A Escola Vale do Dendê oferta cursos, treinamentos, workshops e formações com foco no público corporativo e para o público geral. Usando metologias disruptivas e com os melhores consultores do campo da inovação e diversidade do Brasil, nosso braço educacional tem como objetivo aproximar os conceitos complexos criados no Vale do Silício e em outros centros de inovação para o público com menor poder aquisitivo. Nosso lema é “Inovação para Tod@s” e para isso realizamos parcerias com empresas e governos para levar cursos para as áreas mais populares do Brasil.

Veja em: http://valedodende.org/

Fonte: https://www.nied.unicamp.br/mapabrafrotech/

Conheça a RBA, a revista do CFA

Uma das principais revistas sobre Administração produzidas no Brasil, a RBA, Revista Brasileira de Administração é editada pelo Conselho Federal de Administração.

Com conteúdo qualificado, é uma fonte importante para profissionais e estudantes de Administração.

Produzida a mais de 25 anos, a RBA trabalha para manter seu público sempre informado dos acontecimentos do universo da Administração e dos principais fatos jornalísticos, a Revista tem editorias que abordam o conteúdo em um formato leve e de fácil compreensão.

Conheça em http://revistarba.org.br/

Ou leia a última edição em:
https://online.flippingbook.com/view/375956/

Empresa Norte Americana fecha fábrica na Argentina e transfere operações para o Brasil

Tristeza para alguns e felicidades para outros, ou empregos que migram de um pais para outro em função de seus interesses comerciais.
Nesta dança de cadeiras, a empresa americana Navistar, fabricante de Caminhões, Ônibus (entre estes os famosos ônibus escolares americanos) e veículos de defesa, anunciou o encerramento de atividades de sua fábrica de motores na Argentina com a migração das atividades para a sua subsidiaria no Brasil. Foram 100 postos de trabalho perdido pela cidade de Córdoba.
Sobre este assunto, segue o comentário de nosso colaborador para America do Sul, Adm Alberto N. Vargas Callejas, escrevendo diretamente de La Paz na Bolívia:

MWM fecha operações na Argentina

É comum nas empresas transnacionais abrir filiais em outros países, mas também é comum fechá-las; Esse tipo de empresa trabalha com um objetivo financeiro claro, com base nos regulamentos internos de cada país onde abre suas operações, faz um grande investimento na construção de plantas e importa as máquinas e equipamentos necessários para iniciar suas operações, além de contratar pessoal (um grande número de operadores, técnicos e profissionais, geralmente locais) e, com profissionais locais, oferece consultoria em questões trabalhistas e jurídicas para que tudo esteja em ordem.

Essas empresas assumem um grande risco, porque também desejam ter alta rentabilidade para dominar o mercado com seus produtos; no caso em apreço, são as máquinas pesadas que não têm uma venda em massa, mas são voltadas para o setor; Portanto, cada máquina ou equipamento é oneroso para os empreendedores; portanto, existem objetivos de produção relacionados às vendas desses produtos que, se não atendidos, a empresa transnacional simplesmente fecha as operações e / ou muda a planta para outra área onde está mais conveniente para a venda.

Por outro lado, recentemente a Volkswagen anunciou a venda no mercado de seu carro elétrico com o apoio do Governo Federal da Alemanha. Enquanto a fábrica produz os carros, o governo colocará mais usinas de recarga em todo o país, essa medida neutraliza a dependência de petróleo e gasolina na Alemanha e protege o meio ambiente, reduzindo a emissão de gases tóxicos dos carros que usam combustíveis.

Também, conta com o fechamento da fábrica em Córdoba, a difícil situação econômica na Argentina como resultado da crise cambial e a incapacidade do governo de resolver a questão econômica, que afeta várias empresas naquele país.

Foto: Divulgação Navistar.

Amor ou emprego? qual seria a sua escolha?

Você trocaria um salário de R$ 5.000.000,00 por mês por um grande amor?Pois foi isso que aconteceu com Steve Easterbrook executivo britânico, Presidente Mundial da rede de fast food McDonald´s.  Easterbrook foi desligado da multinacional por ter se relacionado amorosamente com uma funcionária da empresa, o que é proibido pelas normas da empresa.

O presidente, que é divorciado, teve seu afastamento aprovado pelo Conselho da empresa que desconsiderou uma folha de bons serviços prestados pelo ex presidente nos seis anos em que foi o principal executivo da MCDonalds.

Um caso semelhante já aconteceu na INTEL onde um alto executivo também foi demitido pelo mesmo motivo,

A pergunta que fica é se esta medida é positiva para a empresa?. Perder um quadro gerencial com qualificação excepcional  e resultados apresentados porque passou a se relacionar afetivamente com outro empregado(a) pode ser tão negativo para os negócios?  Talvez seja a hora de adequar as normas e entender, que independente de suas posições gerenciais, um grande amor, talvez, possa ajudar mais do que atrapalhar a Administração.

Num tempo em que as empresas passam a respeitar mais o meio ambiente, as minorias  e a qualidade de vida de suas equipes, esta restrição parece ser um atraso.

Foto: Divulgação McDonald´s e Twiter