Editora Contraponto disponibiliza, gratuitamente, livro sobre como Whuan lidou com a crise do Coronavírus.

A editora Contraponto acaba de lançar, gratuitamente, em formato .PDF o livro que conta como Wuhan, onde começou a pandemia do Coronavírus, estabeleceu uma verdadeira operação de guerra para conter o vírus. O livro narra os fatos, conta histórias inspiradoras desta luta e nos prepara para o que ainda iremos enfrentar. Uma leitura fundamental nestes tempos de quarentena. Recomendamos a leitura e difusão destas informações tão importantes. O livro foi produzido pela Editora em Línguas Estrangeiras, de Beijing, e licenciada pela Contraponto.

Veja uma pequena parte do relato. Abaixo o link para se baixar o livro.

“Em 22 de janeiro, a província de Hubei lançou uma resposta de segundo
nível à emergência de saúde pública, entrando em um período crítico.
No início da manhã de 23 de janeiro, o Comando Wuhan de Prevenção
e Controle do COVID-19 emitiu o Aviso nº 1: o transporte público, incluindo
ônibus, metrô, balsa e serviços de longa distância, seria suspenso
a partir das 10:00h de 23 de janeiro de 2020. Os residentes não deveriam
deixar Wuhan por razões não essenciais. Viagens de avião e trem partindo
da cidade seriam suspensas. Estes serviços permaneceriam fechados até a
emissão de novo aviso.
Wuhan estava no olho do furacão. O surgimento repentino do vírus motivou
1,4 bilhão de chineses a entrar em uma batalha com efeito imediato.
Foi uma decisão difícil, mas resoluta. Para garantir a segurança e a saúde
das pessoas, a China cortou as ligações de Wuhan com o mundo exterior.
Ao fazê-lo, também eliminou o risco de transmitir o vírus para outras partes
do país.
Wuhan estava lacrada. Foi um dia silencioso, ainda que turbulento, na cidade.
Havia poucos carros nas ruas e apenas alguns pedestres eram vistos nelas,
usando máscaras. Na internet, “Wuhan” se tornou um dos principais termos
de pesquisa. Mensagens se sucediam, atualizando a situação na cidade.”

CFA aprova Resolução Normativa que adia vencimento das anuidades em caráter emergencial

Medida faz parte das ações que a autarquia tem adotado por conta da pandemia do coronavírus

O Brasil e o mundo sente os impactos causado pelo novo coronavírus. Para evitar a transmissão da doença, autoridades estão pedindo para as pessoas ficarem em casa. Contudo, a economia começa a dar sinais de que o impacto da pandemia será ainda maior. Sensível a esse cenário, o presidente do Conselho Federal de Administração (CFA), Mauro Kreuz, aprovou, ad referendum do Plenário da autarquia, a Resolução Normativa nº 579, que “dispõe sobre a prorrogação do vencimento das anuidades do exercício de 2020, e dá outras providências.”.

Segundo a RN, o pagamento das anuidades, que deveria ser feito até o final deste mês, agora poderá ser realizado até 30 de junho deste ano. Além disso, de acordo com a Resolução, “ficam os Conselhos Regionais de Administração autorizados a deliberar sobre a prorrogação do vencimento das parcelas decorrentes de termos de conciliação de dívida com vencimento nos meses de março, abril, maio de 2020, sem a cobrança de correção monetária ou incidência de juros e multa.”.

“Estamos sensíveis a situação que o país está vivendo. Sabemos que o novo coronavírus não mexe só com a saúde física da população, mas, sobretudo, com a saúde econômica do mundo. Com a RN, possibilitamos que as pessoas físicas e jurídicas tenham um prazo maior para se organizarem financeiramente”, diz o presidente do CFA, Mauro Kreuz.

RN nº 579 está disponível, na íntegra, no site do CFA.

Fonte: CFA

CORONAVÍRUS: SEU EGOÍSMO PODE MATAR

Foto: Victor Moriyama/Getty Images

Andrew Fishman
14 de Março de 2020, 12h30

Este texto foi publicado originalmente na newsletter do Intercept Brasil. Assine. É de graça, todos os sábados, na sua caixa de e-mails.Assine nossa newsletterConteúdo exclusivo. Direto na sua caixa de entrada.Eu topo

É UM CRIME gritar “fogo!” num teatro cheio. O resultado é criar um pânico em que pessoas inocentes – particularmente as mais vulneráveis – podem ser pisoteadas e mortas. Mas também deveria ser um crime gritar “está tudo ok, fiquem sentados e assistam à peça!” num teatro que está sendo consumido por chamas. As pessoas precisam saber do risco, levantar e caminhar com calma – mas rapidamente – para a saída.

Na pandemia de coronavírus que está se espalhando pelo mundo, estamos vendo respostas de todos os tipos. Sim, temos casos de pessoas irracionalmente empilhando papel higiênico. Mas, ao meu ver, a resposta ainda mais comum e perigosa é a negação do forte cheiro de fumaça que já podemos sentir. O teatro está, sim, em chamas.

O balanço entre pânico e inércia é difícil de acertar, pois nunca vivemos uma situação assim na era contemporânea. Mas o importante é que todo mundo reconheça: desta vez não é como nas últimas vezes. Não é dengue, nem H1N1, nem febre amarela, e precisamos estar dispostos a mudar radicalmente nossos modos de vida – e talvez até o jeito que pensamos sobre a sociedade em que vivemos. E a razão, provavelmente, não é para proteger a si mesmo, mas para ajudar a sociedade como um todo e as pessoas mais frágeis e expostas. É hora de pensar nos outros de fato.

Em momentos de crise, as fissuras sociais e o caráter de todos nós são acentuados. Vivemos em tempos de extremo capitalismo em que os Guedes, Temers e Trumps querem sucatear os serviços sociais e glorificar a privatização e o livre mercado – mas, concordando com eles ou não, o individualismo que é a base do nosso sistema socioeconômico já impregnou a consciência de todos nós. Vamos ter que repensar isso agora.

É socialmente irresponsável – uma negligência absurda – dizer e pensar “isso não vai me afetar”, “eu não vou mudar a minha vida por causa disso” ou “não faço parte de grupos de alto risco, então estou de boas”. É responsabilidade de todos levantar nossas vozes quando vemos esse tipo de discurso e corrigi-lo. Do mesmo jeito que ficar calado quando presenciamos racismo, sexismo, classismo e fascismo é compactuar com estes comportamentos, fechar os olhos para esse tipo de individualismo agora também é contribuir para sua existência.Todo mundo que tem salário, trabalho que pode ser feito remotamente, que vive em uma casa confortável e carro é privilegiado.

Um exemplo horrível disso foi relatado na coluna do Lauro Jardim sobre o primeiro caso de transmissão local do novo coronavírus no Rio de Janeiro. Um “empresário” e sua esposa foram infectados e se colocaram em quarentena no seu apartamento no em São Conrado, bairro de classe alta da zona sul. “A empregada do casal, cujo exame deu negativo, está trabalhando de avental, luvas e máscara”, revelou a coluna.

Este casal exigiu que a empregada arrisque a vida dela e de sua família para trabalhar num ambiente infectado, usando medidas de prevenção que não impedem a transmissão. Se eles próprios não estivessem doentes, você acha que aceitariam trabalhar em um ambiente cheio de pessoas infectadas? Ou isso só é aceitável para as pessoas que os servem? Se a empregada ou alguém que mora com ela estivesse doente, eles manteriam ela trabalhando? Deixariam seus filhos fazerem isso? Será que a empregada realmente pôde fazer uma escolha livre ou estava preocupada com a possibilidade de perder o emprego caso se recusasse a servir o casal doente?

Todo mundo que tem um salário, que tem uma poupança, que tem um trabalho que pode ser feito remotamente, que vive em uma casa que comporta confortavelmente seus moradores, que tem um carro para não precisar usar transporte público – essas pessoas são privilegiadas neste cenário. Não por acaso, provavelmente são os mais privilegiados na sociedade também.

Enquanto escrevo isso, 126 mil pessoas foram confirmadas com o novo coronavírus no mundo (e muito mais gente assintomática está andando nas ruas sem perceber que precisa de um teste), incluindo 151 casos no Brasil. O número por aqui vai aumentar dramaticamente nos próximos dias e a pressão no sistema de saúde também. O único método que temos para conter os estragos e as mortes é a conscientização e a pressão para que os líderes de governos, empresas e movimentos sociais façam de tudo para as pessoas ficarem em casa e reduzirem seu contato social – e isso é algo que todos nós podemos fazer.

Após o secretário de comunicação Fábio Wajngarten testar positivo para o novo coronavírus, foi muito correto que sua mulher retirasse seus filhos da escola e avisasse as outras mães do colégio. Por outro lado, foi extremamente irresponsável da parte de Bolsonaro, que viajou com Wajngarten e mais três pessoas que mostravam sintomas (como nós contamos aqui), parar em frente ao Palácio da Alvorada para apertar as mãos de apoiadores e tirar selfies com eles.

Mas, depois que a ficha caiu – quando bateu o medo de estar infectado –, Bolsonaro se submeteu a exames e fez sua live semanal no Facebook, ao lado do Ministro de Saúde, com máscaras e álcool em gel. Finalmente falou em medidas de prevenção de transmissão. Antes, o presidente havia se espelhado na negação de realidade do seu ídolo Donald Trump, chamando a reação ao novo coronavírus de “exagerada” e a pandemia de “uma fantasia”.

Mas o comportamento do Bolsonaro é o da maioria das pessoas, na verdade: ele prefere viver negando os fatos até que alguém próximo ou ele mesmo tenha contato com o vírus. O problema é que se todo mundo espera para ter contato com o vírus para tomar medidas preventivas, elas já não serão mais preventivas. Já era. Seria o equivalente a só começar a usar camisinha depois de ficar grávida.

A Organização Mundial da Saúde declarou na sexta-feira que a Europa agora é o epicentro do vírus, e não a Ásia. Isso porque a China foi muito eficaz e organizada em suas medidas de contenção, e a Coreia do Sul também reagiu rapidamente para providenciar muitos testes e identificar casos logo, antes que a doença se espalhasse ainda mais. Japão, Taiwan, Singapura, Tailândia e Hong Kong foram ainda mais preparados.

Esses países asiáticos, devemos lembrar, foram muito afetados pela Síndrome Aguda Respiratória Grave, a Sars, em 2003. Por isso, se prepararam para a próxima crise. Em comparação, europeus e americanos estão sendo extremamente lentos na tomada de medidas percebidas como “drásticas”. Os governos não queriam assustar os mercados financeiros, e os indivíduos não queriam acreditar que esse problema os envolvia. Agora, todos estão correndo atrás de novos testes e fechando escritórios, escolas, espaços públicos e, em alguns casos, até cidades inteiras. Tudo isso só depois que perceberam que estavam perdendo o controle. Parece o mesmo erro do Brasil agora.

Uma boa reportagem do BuzzFeed News nos EUA explica, com jeito de anedota, que as pessoas mais velhas, muitas vezes, são as mais propensas a negar os riscos de adoecer e a se recusar a mudar seus hábitos, mesmo que sejam também quem corre mais risco. Isso, explica a matéria, pode acontecer porque elas não querem se enxergar como “velhas” – mas é a obrigação dos mais jovens abrir os olhos delas sem assustá-las.

Então, o que você pode fazer para combater o novo coronavírus?

1. Insista que sua empresa ou escola tome medidas para prevenir o contato social;
2. Pense e exija que essas medidas também protejam as pessoas mais expostas, como seguranças, faxineiros e prestadores de serviços terceirizados;
3. Pare de ir a eventos e espaços cheios;
4. Pratique boa higiene;
5. Fique em casa por até 14 dias se você teve contato com alguém suspeito de ter coronavírus ou se você tem sintomas;
6. Só vá para o hospital se tiver sintomas graves ou tiver tido contato com alguém infectado;
7. Pare de apertar a mão e dar beijos de cumprimento nas pessoas;
8. Corrija todo mundo ao seu redor que não fizer isso.

Mas qual é o efeito de tudo isso? O vírus vai se espalhar de qualquer forma, né? Vai, mas olha esse gráfico que mostra a taxa de mortalidade pelo surto de gripe espanhola de 1918 em duas cidades dos EUA. Saint Louis imediatamente fechou todos os espaços públicos após descobrir que a doença tinha chegado. Enquanto isso, a Filadélfia decidiu realizar uma grande festa de rua. Veja a diferença das taxas de mortalidade:

dr-graph-1584135559

Gráfico: Proceedings of the National Academy of Sciences

O outro efeito é limitar a pressão sobre o sistema de saúde. Veja esse gráfico tuitado por Max Roser:Max Roser@MaxCRoser · Respondendo a @MaxCRoser

5/ I don’t think it will necessarily be terrible.

It is up to us right now.

We’ve been successful in making progress against terrible problems.

The way forward is to take problems seriously, study them, and do what is right.

My view:https://ourworldindata.org/a-history-of-global-living-conditions-in-5-charts …The short history of global living conditions and why it matters that we know itWe are working on Our World in Data to provide ‘Research and data to make progress against the world’s largest problems’.ourworldindata.orgMax Roser@MaxCRoser

6/ Early in an outbreak, containment is key.

Slowing the rate of infection means that the number of people who are sick at the *same time* does not exceed the capacity of the health system.

[I wish more people understood the intention of containment.]

Ver imagem no Twitter

5.212Informações e privacidade no Twitter Ads2.113 pessoas estão falando sobre isso

Numa cidade como a Filadélfia em 1918, o sistema simplesmente não conseguiu tratar todos os casos graves, porque, além de o número ser maior, eles chegaram como uma inundação, todos ao mesmo tempo. O mesmo vale para a situação de agora: mais pessoas podem morrer desnecessariamente por falta de atendimento se muitas ficarem doentes num mesmo período.

Estamos juntos nisso, goste você ou não. Isso significa que uma manifestação em memória de Marielle precisa ser (e foi) cancelada, assim como o ato pró-Bolsonaro (que também foi), porque o vírus pode começar se espalhando nesses eventos – e, depois, ele não reconhece lado político. Agora temos um inimigo maior em comum.ANTES QUE VOCÊ SAIA… Quando Jair Bolsonaro foi eleito, sabíamos que seria preciso ampliar nossa cobertura, fazer reportagens ainda mais contundentes e financiar investigações mais profundas. Essa foi a missão que abraçamos com o objetivo de enfrentar esse período marcado por constantes ameaças à liberdade de imprensa e à democracia. Para isso, fizemos um chamado aos nossos leitores e a resposta foi imediata. Se você acompanha a cobertura do TIB, sabe o que conseguimos publicar graças à incrível generosidade de mais de 11 mil apoiadores. Sem a ajuda deles não teríamos investigado o governo ou exposto a corrupção do judiciário. Quantas práticas ilegais, injustas e violentas permaneceriam ocultas sem o trabalho dos nossos jornalistas? Este é um agradecimento à comunidade do Intercept Brasil e um convite para que você se junte a ela hoje. Seu apoio é muito importante neste momento crítico. Nós precisamos fazer ainda mais e prometemos não te decepcionar.

Fonte: The Intercept Brasil

https://theintercept.com/2020/03/14/coronavirus-salvar-vidas-bolsonaro-trump/

Morreu Jack Welch, ex-CEO da GE.

https://edition.cnn.com/2020/03/02/business/jack-welch-obituary/index.html

Nova York (CNN Business)Jack Welch, que liderou a General Electric durante 20 anos de seu maior sucesso financeiro, morreu. Ele tinha 84 anos.Welch tornou-se CEO da GE em 1981 e liderou-a até sua aposentadoria em 2001.”Hoje é um dia triste para toda a família GE”, disse o CEO da GE, Larry Culp, em comunicado. “Jack era maior que a vida e o coração da GE por meio século. Ele reformulou a face da nossa empresa e do mundo dos negócios. Jack foi uma influência forte e constante ao longo da minha carreira, apesar de nunca ter trabalhado diretamente para ele”.Welch, que foi nomeado ” Gerente do Século ” pela revista Fortune em 1999, aumentou enormemente o escopo e o poder financeiro da GE ( GE ) durante seu tempo no topo da empresa. O valor de mercado das ações subiu de US $ 14 bilhões para mais de US $ 400 bilhões, um aumento de mais de 2.700%, durante esses 20 anos.”Ele tinha um tremendo foco no valor para os acionistas”, disse Jeff Sonnenfeld, professor de negócios de Yale, fundador e presidente do Chief Executive Leadership Institute, que ensinou Welch no início dos anos 80.Sonnenfeld observou que Welch também empurrou a GE para novas linhas de negócios, com resultados variados. Por exemplo, Welch presidiu a aquisição da RCA, proprietária da NBC, em 1986, pela GE. A GE vendeu o negócio para a Comcast ( CMCSA ) em 2013.E sob Welch, a GE investiu de cabeça em serviços financeiros, criando um dos maiores bancos do mundo. No entanto, a GE Capital implodiu durante a crise financeira de 2008, quase trazendo o resto da GE com ela.”Isso forneceu um pote de biscoitos. Mas foi uma diversão com a qual muitos gigantes industriais europeus não se distraíram”, disse Sonnenfeld.Welch se tornou o principal defensor da teoria dos negócios conhecida como ” Six Sigma “, o esforço para melhorar constantemente a maneira como os negócios são conduzidos em uma empresa.E, segundo sua teoria, qualquer unidade de negócios que não fosse a líder ou a número 2 em seu mercado deveria ser consertada, vendida ou fechada. E também pedia que os gerentes da empresa fossem classificados e os da parte inferior do ranking fossem soltos.Seguindo essas regras, Welch ficou conhecido como “Neutron Jack”, pois abandonou as divisões e os gerentes individuais que, acreditava, não estavam apresentando desempenho suficiente. Em seu primeiro ano como CEO em 1981, ele vendeu cerca de 100 empresas, disse Sonnenfeld.Donald J. Trump✔@realDonaldTrump

Jack Welch, former Chairman and CEO of GE, a business legend, has died. There was no corporate leader like “neutron” Jack. He was my friend and supporter. We made wonderful deals together. He will never be forgotten. My warmest sympathies to his wonderful wife & family!64.2KTwitter Ads info and privacy16.4K people are talking about thisA primeira coisa que ele fez foi reverter o que foi o maior negócio da história da GE, sua fusão de US $ 2 bilhões com a mineradora Utah International em 1976, disse Sonnenfeld. Foi a maior fusão do país na época.Welch também teve seus críticos enquanto era CEO, que acusou a GE de manipular ou gerenciar seus ganhos para suavizar os resultados , momento em que certos ganhos ou perdas podem ser relatados. Durante todo o tempo em que Welch assumiu o cargo de CEO, a GE relatou nada além de um crescimento constante dos lucros que atendeu ou superou as previsões, mesmo quando fatores econômicos externos criaram resultados muito mais desiguais para seus concorrentes.A GE acabou enfrentando acusações da Comissão de Valores Mobiliários em 2009 de que ela manipulava incorretamente os resultados. Ele acertou essas acusações, pagando uma multa de US $ 50 milhões . Mas não admitiu irregularidades, e os resultados incluídos no acordo foram relatados depois que Welch deixou a empresa.Em 2012, Welch acusou o Departamento do Trabalho de manipulação semelhante, dizendo que havia aumentado o número do relatório oficial de empregos logo antes das eleições presidenciais de 2012 para ajudar as chances de reeleição do presidente Barack Obama. Ele foi amplamente criticado pela acusação, pela qual ele admitiu que não tinha nenhuma evidência firme além de dúvidas sobre o número de empregos relatado.

Dentro da busca para salvar a GEA GE lutou bastante nos últimos anos, pois abandonou muitas das unidades que Welch havia criado e fez cortes profundos em seu quadro de funcionários, que caiu mais de 100.000 nos últimos dois anos.O preço das ações, uma vez premiado, tornou-se um retardatário, com a empresa cortando seu dividendo para um centavo por ação. Mas os cortes profundos que Culp fez ajudaram a mudar as ações nos últimos meses antes da recente correção do mercado.

Fonte: CNN

Programas executivos na Pearson College London e CUOA Business School

Encontra-se aberto o processo seletivo para bolsas de estudos na Pearson College London e CUOA Business School. Ministrados em inglês, os programas cobrem áreas de Gestão, Marketing, Projetos, Logística, Coaching, Criatividade e Inovação, entre outras, além de visitas a empresas e palestras com executivos renomados. Os programas têm duração de 3 semanas e são ministrados nos meses janeiro e julho. Na Itália, os alunos têm a opção de ir à Genebra e visitar duas organizações internacionais: ONU e OMC. Dispomos de 24 bolsas de estudos para graduandos e graduados, pós-graduandos e pós-graduados da Administradores.Adm. Quem estiver interessado, peço por favor que se manifeste nos comentários abaixo com o e-mail ou me mande um inbox, para que eu possa enviar informações completas e a ficha de solicitação de bolsa.

Inscrições para as turmas de julho de 2020 ou janeiro e julho de 2021 vão até 26 de janeiro.

Bons estudos e até breve.
Prof. Ricardo Britto – prof.dr.britto@usp.br
Doutor em Administração pela FEA/USP
Coordenador do programa de bolsas de estudos

Vamos falar de Administração à partir do olhar de quem esta no interior do Brasil?

Nós aqui no Administradores.adm notamos que dos muitos colegas e estudantes que acompanham nosso trabalho aqui no portal vem de muitos locais do Brasil, e destes, uma quantidade considerável, vem de cidades pequenas e médias. Para listar algumas cidades de colegas que se inscreveram recentemente, entre outras, temos:
Caconde – SP – 19.000 habitantes;
Cianorte – PR – 100.000 habitantes;
Colômbia – SP – 6.000 habitantes;
Diamantina – MG – 42.000 habitantes;
Guapimirim – RJ – 57.000 habitantes;
Machado – PE – 42.000 habitantes;
Milagres – BA – 10.000 habitantes;
Pantano Grande – RS – 10.000 habitantes;
Paraguaçu Paulista – SP – 45.000 habitantes;
Paranaíba – MS – 40.000 habitantes;
Pirassununga – SP – 75.000 habitantes;
Rio Pomba – MG 18.000 habitantes;
Rolândia – PR – 64.000 habitantes;
Santa Tereza – ES – 23.000 habitantes;
São Bento do Sul – SC – 85.000 habitantes;
Terra Boa – PR – 17.000 habitantes;
Tietê – SP – 42.000 habitantes;
A nossa formação, nossos anseios profissionais (principalmente os mais jovens), a baixa qualidade média das formações, o mercado de trabalho que não é claro etc já nos coloca um caldeirão de conjecturas sobre o futuro e como progredir, quando estamos nos grandes centros que tem mais oportunidades. Como será então nos pequenos é médios municípios?

Queríamos fazer um convite para estes colegas e futuros colegas, que nos escrevam contando sobre a realidade da profissão em suas cidades. Gostaríamos de pensar uma forma concreta de ampliar esta discussão, de ajudar os mais jovens e de pensar como esta proximidade digital poderia nos ajudar a criar uma comunidade com este foco. Escreva sobre. Aguardamos seu contato.

Adm Edson Machado
Editor do Administradores.adm
contato@administradores.rio.br

Você vai ter sucesso na sua vida? Descubra suas chances.

1

Provavelmente você nunca ouviu falar que o segredo do sucesso pode ser pré-definido. Você vai ter sucesso na sua vida? vai para o topo da pirâmide ou para a base? Vai ganhar muito dinheiro ou vai viver com dificuldades?

Depois de assistir este vídeo, você vai entender que sim, o sucesso pode ser medido. No dia a dia não nos damos conta, mas tendo a clareza de como funciona, talvez você possa dar um up na sua vida, na sua carreira e alcançar melhores resultados.

Este é um vídeo produzido por Atilá Iamarino, Biólogo, doutorando pela USP, e segundo sua própria definição, um viciado em informação e ciência.

Ex-dirigentes do CRA-CE são condenados à prisão

Os ex-dirigentes do CRA-CE, Reginaldo Silva de Oliveira e Eudes Costa de Holanda, respectivamente ex-presidente e ex-diretor Administrativo e Financeiro da entidade foram condenados pela Justiça a penas de 20 anos e 14 anos de reclusão e multa de quase R$ 500.000,00 cada um. O ex-presidente já havia sido condenado a pena de 2 anos anteriormente, por ações praticadas no próprio CRA.
A justiça considerou que os réus foram responsáveis por desvios de recursos que geraram prejuízo superior a R$ 1 milhão aos cofres públicos .

Segundo nota do Ministério Público federal: “Em setembro de 2018, o MPF apresentou ação penal contra os dois ex-dirigentes depois que inquérito policial demonstrou inúmeras irregularidades cometidas na gestão do Conselho. Foram identificadas transferências de recursos de contas do CRA/CE para contas pessoais de Reginaldo e Eudes. A investigação também encontrou retiradas de valores em espécie da conta do órgão sem o devido comprovante de identificação, além de pagamentos a empresas prestadoras de serviços das quais os réus eram sócios sem a devida contratação mediante licitação, entre outras práticas irregulares”.

Os Administradores, como os profissionais inscritos em Conselhos de outras profissões, precisam acompanhar as ações de seus conselhos para garantir que a representatividade e lisura das gestão de suas entidades esta contemplada com transparência e democracia. Que este caso sirva como exemplo para garantir que novas condutas irregulares aconteçam.

Ouça áudio do MPF sobre o caso

Fonte: MPF

Administradores, no Rio de Janeiro, tem salário mínimo profissional.

2

A discussão sobre um salário mínimo para os Administradores é uma das questões que interessam, diretamente, a todos os colegas. Infelizmente apenas os Engenheiros tem um salário mínimo profissional a nível federal no Brasil. Depois da aprovação deste salário mínimo, nenhuma outra categoria logrou exito em conseguir uma medida igual. A câmara dos deputados já analisou, e rejeitou, vários projetos semelhantes, inclusive para os administradores.

A única ação próxima com sucesso foi a conseguida pelo Sindicato dos Administradores no Estado do Rio de Janeiro que conseguiu incluir na lei do salário mínimo no ERJ – Lei Nº 8315 DE 19/03/2019, a categoria dos Administradores (CBO 2521-05) . Por esta lei, os Administradores do ERJ devem ganhar, como salário mínimo, o valor de R$ 3.158,96 (três mil cento e cinquenta e oito reais e noventa e seis centavos).

Segundo o vice presidente do SINAERJ, Adm Julio Reis, “vendo de maneira isolada o valor até poderia ser maior, mas considerando que é o salário mínimo, e que muitas pequenas empresas chegam pagar até menos que R$2.000,00, ter uma lei estadual garantindo este direito, já é um grande avanço”.

2521 :: Administradores

Títulos
2521-05 – Administrador, Administrador de empresas, Administrador de marketing, Administrador de orçamento, Administrador de patrimônio, Administrador de pequena e média empresa, Administrador de recursos humanos, Administrador de recursos tecnológicos, Administrador financeiro, Administrador hospitalar, Administrador público, Analista administrativo, Consultor administrativo, Consultor de organização, Gestor público (administrador) 

Descrição Sumária
Planejam, organizam, controlam e assessoram as organizações nas áreas de recursos humanos, patrimônio, materiais, informações, financeira, tecnológica, entre outras; implementam programas e projetos; elaboram planejamento organizacional; promovem estudos de racionalização e controlam o desempenho organizacional. Prestam consultoria administrativa a organizações e pessoas.

Fonte: mtecbo.gov.br